quarta-feira, maio 06, 2015

Renascimento Nórdico

O movimento que ficou conhecido como Renascimento não aconteceu exclusivamente na Itália, mas se espalhou por outras partes da Europa como a Alemanha, Inglaterra e os Países Baixos.
Só que a cultura clássica, base primeira do Renascimento, não foi relevante para os artistas nórdicos. Eles tinham outra mitologia, outros padrões arquitetônicos, outros hábitos e outra cultura. Evidentemente a arte seria diferente.
Os pensamentos humanistas do Sul chegaram até eles e podemos dizer que acabaram sendo ainda mais humanistas que os renascentistas italianos.

O Renascimento Nórdico foi influenciado sobretudo pelo pensamento humanista e pela reforma protestante. Por essa razão encontramos muitas obras realistas e que valorizam o ser humano (mostrando, por exemplo, cenas cotidianas). Os temas religiosos e mitológicos (principais temas do Renascimento Italiano) quase não aparecem.

Os artistas tinham interesse pela representação da imagem humana e por representar o mundo visível de forma realista (sem a idealização tão comum nas obras italianas).

SEMELHANÇAS COM O RENASCIMENTO


  • Humanismo;
  • Uso da técnica da perspectiva nas pinturas (porém nem sempre com o ponto de fuga centralizado);
  • Uso da mimesis (sem idealização).
As obras dos artistas nórdicos possuem muitos detalhes (miniaturismo) e muitas informações.

PRINCIPAIS ARTISTAS

Jan Van Eyck (1390 - 1441)

Principal obra: "Bodas de Arnolfini" (ou "O casal Arnolfini"), 1434



Repare nos detalhes da obra!


O artista escreveu "Jan Van Eyck esteve aqui, 1434". Foi a primeira vez que um artista assinou seu nome em um quadro.

Repare nos detalhes do espelho no fundo do quarto:



Note que além de todos os detalhes do espelho, o artista também coloca detalhes na moldura. São imagens da Via Sacra (Paixão de Cristo).


Note que o artista coloca laranjas no quarto! Pode parecer algo simples, mas não é! Laranjas eram frutas muito raras na Holanda naquela época e, portanto, caríssimas.  Colocá-las na tela, mostra que o casal era muito rico!


Você tinha reparado nas sandálias da mulher no fundo do quarto? Note que mesmo estando no fundo ela possui muitos detalhes. Também conseguimos perceber as diferentes texturas: a madeira do piso, o tapete e os tecidos das roupas do casal.

As sandálias do marido são as que estão mais a frente da composição:


A mulher não está grávida! Esse é um retrato nupcial, ou seja, eles acabaram de casar! Pela cultura da época isso seria inadmissível. O ventre volumoso indica que ela QUER engravidar. Outros símbolos de fertilidade no quadro são: o verde no vestido da mulher, o vermelho da cama e a imagem de Santa Margarete (para quem as mulheres rezam quando querem engravidar) na cabeceira da cama:


A luminária do quarto tem apenas uma vela acesa. Segundo a semiótica ela simboliza o "olho de Deus que tudo  vê", como se Deus estivesse ali abençoando a união do casal.



Só para deixar ainda mais impressionante, lembre-se que o quadro original (que está na National Galery de Londres) é relativamente pequeno (82 x 60 cm).

Observar esse quadro com cuidado é uma experiência sensacional (por conta de todos os detalhes!)

Hieronymus Bosch (1450 - 1516)

Uma de suas principais obras é o Tríptico "O jardim das delícias".

Nesse link tem um post falando sobre essa obra!


Albrecht Dürer (1471 - 1528)

O alemão Dürer foi um importante gravurista.
É interessante lembrar que nessa época surge a imprensa e as ilustrações também passam a ser feitas por impressões.

A grande paixão, 1498

Os quatro cavaleiros do apocalipse, 1498


Hans Holbein (1497 - 1543)

Principal obra: "Os embaixadores", 1533


Esse retrato também tem muitas informações e detalhes (como o Casal Arnolfini, de Van Eyck).
Holbein também é preciosista na representação das texturas e materiais.

Veja alguns detalhes:



Você conseguiu ver que há um anel na frente da bússola?



Dá pra ver que é um livro de matemática!


E é possível ler a partitura!


Outra coisa que chama a atenção é o globo terrestre. Se você olhar atentamente é possível encontrar "Brasilis". Achou? Perdoe os erros de geografia! Lembre-se que a obra é do século XVI!!!


E também há um globo celeste que mostra as constelações.


Mas é claro que o que mais chama a atenção nessa obra é o crânio em perspectiva anamórfica na frente da composição. Você tinha reparado nisso?



Para conseguir ver o crânio no quadro original é necessário se posicionar do lado direito, de modo perpendicular:



Alguns interpretam o crânio como um símbolo humanista, outros como uma ameaça ao rei Henrique VIII (com quem o artista tinha uma certa birra). O fato é que o artista mostra o quanto domina a técnica da perspectiva!

Pieter Bruegel (1525 - 1569)

Suas obras se aproximam da ideia de realismo (mesmo este movimento artístico ainda não existindo). Mostra cenas cotidianas, camponeses, brincadeiras infantis... Suas obras são muito detalhadas e cheias de informações. Por exemplo:

Jogos infantis, 1560

Caçadores na neve, 1565

Casamento camponês, c. 1569


Um comentário:

Antonio Montibeller disse...

Nossa! Fascinante a quantidade de detalhes presente nas obras, principalmente as de Jan Van Eyck e Hans Holbein. Ótimas postagens! muito interessante!